palhaçada

Sobre tudo que faz você parecer um babaca.

P:\> The mini-gamer é molenga demais! Como vou aprender a segurá-lo?
R:\>No começo a sensação de estar segurando geléia de mocotó na palma da mão aberta é assustadora. Embora normalmente nasça com kilos, o papai gamer vai achar que seu mini-gamer é feito de espuma e papel, com poucos gramas, e não raro, irá se recusar veementemente a segurá-lo nos braços. Mas tão logo o faça pela primeira vez, vai se sentir mais solto e confiante, e vai até ensaiar uns arremessos falsos e uns malabarismos até que pof! a criança cai de cara no chão, para desespero dos avôs e desaprovação das visitas. Tsc Tsc Tsc. Deixar mini-gamers cairem é tido como coisa de lammer, e por isso, você irá segurar the mini-gamer de forma tão segura e estática quanto um vilão que quer dominar o mundo segura seu gato. Guarde essa posição número um em sua mente e ensaie com um saco de arroz agulhinha de cinco quilos: coloque the mini-gamer em seu antebraço e apoie o seu pescoço com a mão em concha para maior firmeza. Lembre-se que cabeça de mini-gamer não está presa no corpo com nada além de um arame fininho desses de amarrar pão de forma, e por isso, pode cair com movimentos bruscos. Respire fundo como um sniper sempre que for pegá-lo ou entrega-lo a alguém melhor gabaritado para a tarefa. A posição número dois é mais simples: sente-se com as costas apoiadas na cabeceira de sua cama, dobre as pernas e no canyon que se formar entre suas coxas, deposite the mini-gamer, de modo que a nuca fique na altura do seu joelho. Só não fique com sono e durma, senão, pof! Tão logo the mini-gamer cresça e a sua coluna vertebral pareça mais sólida firmeza mano, será mais fácil segurar lateralmente. Mas lembre-se de revezar os lados e de comprar emplastros pois até a sua independência de deslocamento pela residência, suas costas irão sofrer torturas terríveis.

P:\> The mini-gamer pode sair para passear?
R:\> Claro! Mas como ele é filho de nerd, não vai querer. Vai preferir ficar entocado no carrinho, curtindo a padronagem interna da capota. Se for o caso de sair com the mini-gamer, lembre-se de ficar distante de aglomerações como lan parties e micaretas, e mantenha o neném sempre bem agasalhado e protegido do vento. Mas sem os exageros de avós hipocondríacos. Afinal, moramos em um país com variações térmicas entre o quente e o calor-do-caralho.

P:\> The mini-gamer pode ir para o colo de qualquer um?
R:\> Pode. Até aconselho, para que ele aprenda que não está mais ligado pelo cordão umbilical com a Player2 e que pode, sempre que quiser, voltar para o seu colo. Esse ensaio de liberdade irá favorecer um crescimento sem medos, receios e dependências, como vimos nos capítulos anteriores, inimigos típicos e poderosos. Quando o neném for bem minúsculo, até o final da primeira temporada, determine como pagamento para o prazer de sua companhia que o requisitante lave as mãos com álcool gel e que não o beije, nem na bochecha e nem nãos mãos. Um microorganismo de uma visita boca-de-bueiro qualquer pode seguir para as mucosas e deixar de presente uma conjuntivite ou alguma outra doença bem escrotinha, pois the mini-gamer vai colocar a mão inteira na boca sempre que puder. Como o sistema de anti-virus da criatura é bem porcaria no começo, antes de ir se atualizando, gente doente com gripe ou resfriado nem deve chegar muito perto. Fica em casa e apareça depois. Ou proponha um encontro no Skype, que é sempre mais seguro para ambas as partes. Uma última recomendação, no entanto, é evitar contato próximo de mini-gamer com pessoas que nem você e nem a Player2 conhecem, na rua por exemplo. Tem muita gente doida por aí, vide Cosplayers e Funboys!

P:\> The mini-gamer vai me amar menos se eu não deixar que mexa nas minhas coisas?
R:\> Não! Claro que não! Você é que vai se amar menos quando sua miniatura de R2D2 aparecer, engolido, em um Raio-X de emergência hospitalar! Uma dos grandes desafios para o papai gamer de primeira ficha é determinar as liberdades cabíveis para sua descendência. Não se iluda aqui: há todo um histórico do século XX e de sua própria família velha, que tende a ver a criaturinha como uma coisa em eterno sofrimento. É uma enxurrada de “Tadinho!” e “Que pecado….” que farão você pensar em quão zé-roela você é com sua própria prole, caindo na tentação de liberar geral no acampamento que a sua casa se tornou. Não cometa esse erro! Filhotes sem limites não amam nem a si próprios. Mantenha a linha, Master Chief. Limite-os aos próprios brinquedos para que os seus permaneçam intactos e com uma fina camada de poeira protetora.

P:\> The mini-gamer foi convidado para uma festa. Devo ir também?
R:\> Acho que é pertinente, caso a Player2 não queira ir (o que é absurdamente raro, mas não impossível) pois the mini-gamer pode não fazer a mínima ideia do que está acontecendo. Lembre-se que em primeiras temporadas, festas infantis são desculpas para festas adultas, e não ache estranho se aparecerem strippers e que a bebedeira esteja liberada. São os novos tempos chegando e rebolando até o chão. Se for o caso, fique encostado na parede e deixe as crianças se divertirem na piscina de bolas (mas nunca no pula-pula, para evitar acidentes funestos ou arremessos a la #Angry Birds por crianças maiores).

Deixe um Recado